quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Estado febril



É assim que estou
(péssima entendedora)
esperando que
a verdade seja nua,
sem meias palavras

No peito
sentimento sufocando
se arrastando
como quem dá prazo
a si mesmo
para se entregar e morrer

estado febril na alma
que geme, sofre
por falta de calor
de um amor
que se nega à sinergia

E essa hora
que não passa
- maldito relógio!
amarga essa espera
que me anula, me cega
e me entrega ao ócio

Te amar pode ter sido tudo
menos, um bom negócio!

Um comentário:

ventosnaprimavera disse...

Essa poesia é linda demais JAL, parabéns por tanta inspiração.Arnoldo Pimentel