segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Mútuo segredo



A pele sente e transmite
o que tento não falar com os olhos
porque minha boca é um túmulo
mas meu coração, vontade.

Minhas mãos gelam e suam
me afirmando em cada instante,
o que não adianta esconder,
que dentro desse músculo involuntário
ainda mora, você.

Ver esse sonho guardado
rolando pelo tempo em silêncio
de repente acordado, tão forte
em aumentado sentimento

E desvendado esse mútuo segredo
resta-se apenas a espera
de que a distancia e utopia de ser
seja página virada, quem dera!

3 comentários:

LIVRO DIGITAL - LUIZ DOMINGOS DE LUNA disse...

"O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente."

O Poeta finge para um mulher que logo descobre o seu fingir.
Descobrir o fingimento da mulher é algo impossível.
Por que ?
/Ser e fingir/ na mulher tudo é uma coisa só ?
Como assim
O Eterno conflto.
Qaudo começou ?
Quando começou a existir a mulher.
Luz do mundo !!! luz de vida!!! luz da civilização.

Dri Viaro disse...

Oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar boa semana
bjs

aguardo sua visita :)

ventosnaprimavera disse...

Lindo JAL, como tudo que escreve, sou até suspeito de falar bem.Parabénssssss amiga, felicidades.